Crepúsculo dos Deuses ( Sunset Boulevard )

Joe, um roteirista desempregado se refugia numa mansão da Sunset Boulevard quando foge da polícia e é confundido com um escritor que deveria encontrar a esquecida estrela do cinema mudo Norma Desmond, que planeja um grande retorno com um script em que está trabalhando. Acaba ficando por lá e se tornando gigolô da veterana atriz.


Gloria Swanson - Sunset Boulevard (1950)
Clique na imagem para amplia-la

O filme que trouxe de volta ao estrelato a atriz do cinema Gloria Swanson (que perdeu o Oscar para Judy Holiday, por Nascida Ontem, numa das disputas mais acirradas em todos os tempos) que havia sido superstar no cinema mudo (curiosamente ela fez poucos filmes depois mas manteve-se dali em diante como mito de “eterna juventude”). Ela foi a quarta escolha para o papel de Norma Desmond. Inicialmente os autores pensarem em Mae West (que recusou indignada de alguém pensar que ela estivesse fora de moda), Pola Negri (também recusou) e Mary Pickford (que gostou da idéia mas queria que o roteiro fosse reescrito para ela).


Gloria Swanson, William Holden - Sunset Boulevard (1950)
Clique na imagem para amplia-la

A fita faz várias referencias à vida da própria Swanson, o filme que ela assiste é Queen Kelly, de 1928, que havia sido rodado por Erich Von Stroheim (que faz o mordomo na fita), ela imita Chaplin (que foi seu amigo) e num jogo de carta reencontra velhos amigos de seu tempo de estrelato agora também em decadência também na vida real (o comediante Buster Keaton, a atriz Anna Q. Nilsson, o ex-galã H. B. Warner) e o diretor Cecil B. De Mille que a recebe nos estúdios autênticos da Paramount onde ele rodava Sansão e Dalila , realmente fez uma série de fitas estreladas por ela.


Cecil B. DeMille, Gloria Swanson- Sunset Boulevard (1950)
Clique na imagem para amplia-la

“Sunset Boulevard” (Boulevard do Crepúsculo) é realmente o nome de uma avenida importante de Los Angeles mas o número da casa da mansão de Norma Desmond não existe na realidade. A Mansão real (demolida em 57) nem sequer tinha piscina (e por isso ela foi construída especialmente para a fita nos terrenos da Mansão John Paul Getty no Wilshire Boulevard. Essa mesma piscina apareceu também em Juventude Transviada em 1954 .

Quem foi inicialmente convidado para fazer o papel do roteirista desempregado e gigolô Joe Gillis, foi Montgomery Clift mas este desistiu duas semanas antes (porque achou que o papel tinha semelhanças com sua vida particular por ele ser muito amigo da cantora Libby Hollman). Fred MacMurray (que havia feito Pacto de Sangue com Wilder o recusou por achá-lo difícil demais) e o escolhido acabou sendo William Holden, então com 32 anos e que desde então se tornou o ator favorito de Wilder (sob cuja direção ganharia o Oscar de 53 com Inferno numero 17) .


William Holden - Sunset Boulevard (1950)
Clique na imagem para amplia-la

Erich Von Stroheim que não sabia dirigir teve que ter seu carro puxado por cabos durante a cena de visita à Paramount. Os escritórios dos roteiristas no estúdio na verdade era a Escola para os alunos menores de idade que filmavam ali. O filme originalmente começava com o personagem de Holden numa Morgue contando para outros mortos sua história. Isso provocou gargalhadas nas previews , por excesso de humor negro e Wilder resolveu manter a narrativa dele, mas desta vez apenas com o corpo na piscina. Nas cenas finais na casa de Norma, a colunista de fofocas, Hedda Hopper interpreta a si mesmo e quando Swanson acabou de fazer a cena foi realmente aplaudida pela equipe. Ganhou Oscars de trilha musical e roteiro. No começo dos anos 90, o compositor Andrew Lloyd Webber transformou o filme numa peça da Broadway, com a aprovação de Wilder, que virou o show Sunset Boulevard, estrelado por Glenn Close (mas teve sucesso apenas relativo nunca recuperando o investimento).


Erich Von Stroheim, William Holdein, Gloria Swanson- Sunset Boulevard (1950)
Clique na imagem para amplia-la

Comentário: O melhor filme já feito sobre Hollywood (seu rival mais próximo é o também brilhante Assim Estava Escrito/The Bad and the Beautiful, 1952, de Vincente Minnelli). Talvez porque o diretor Billy Wilder e seu roteirista habitual Charles Brackett tenham conseguido manter um tom acertado que mistura ironia, humor negro, nostalgia , melodrama, cinismo e compaixão. Mas principalmente por terem conseguido Gloria Swanson para o papel central, a mítica da atriz se mistura com a da personagem Norma Desmond (curiosamente Gloria não tinha tanta idade assim, entre 49 e 52 anos, dependendo da fonte que você consulta) sua interpretação é soberba, ainda conservando propositalmente alguns tiques do Cinema Mudo (“Eu ainda continuo grande, diz ela, os filmes é que ficaram menores”), mostrando versatilidade (sua imitação de Carlitos é um primor), nunca caindo na caricatura nem mesmo nas cenas de loucura e tem toda razão quando afirma “Não se fazem mais rostos como este hoje em dia”. Sendo que a descida das escadas, dirigida pelo antigo marido, diretor e agora mordomo Stroheim é das mais belas da História do cinema (e ela caminhando para a lente até sair de foco é uma alegoria para toda a História, de uma estrela consumida pelo próprio mito do cinema).


(L to R) Anna Q. Nilsson, Gloria Swanson, Buster Keaton,
William Holden, Erich von Stroheim, Harry Warner
- Sunset Boulevard (1950)
Clique na imagem para amplia-la

Também é uma grande ousadia, raramente imitada depois, fazer com que a historia seja contada por um personagem já falecido (Joe Gillis aparece morto por tiros numa piscina, só vamos saber como e porque bem mais tarde) e que ainda por cima não é especialmente simpático . É até mesmo um vigarista, aparenta ter pouco talento (as cenas com a mocinha Nancy Olson e com o amigo Jack Webb, depois famoso em séries de teve como Dragnet são as mais fracas da fita ). Mas é bem possível que tanto Wilder quanto seus parceiros se identifiquem com Joe. Poético e cruel, mágico e cínico, Crepúsculo dos Deuses ( e finalmente acertaram com um título nacional) é a fita paradigma para uma indústria que adora se auto-louvar, se auto-criticar (desde que não seja muito á sério) , se auto-promover. Que é capaz de vender até o sonho de sua própria degradação.

 


Gloria Swanson- Sunset Boulevard (1950)
Clique na imagem para amplia-la

Crepúsculo dos Deuses
Ano:1950
Diretor:Billy Wilder
Genêro:Drama

Sunset Boulevard Soundtrack

Fonte: UOL; Rubens Ewald Filho

Home
Links

Artes Plásticas: A Arte do Brasil Holândes | A Arte do Egito Antigo | Arte Pré-Colombiana | Arte Tibetana | Beatriz Milhazes | Capela Sistina | Caravaggio, Pintor da luz e das trevas da alma | Damien Hirst | Francisco Goya | Frida: A Dor da Vida, A Dor Da Arte | Henri Rosseau | Impression : Soleit Levant | Kandinsky | La persistencia de la memoria | Las Meninas | Luz e Espaço | Manet | Meus Quadros - Leandro Reis | O quadro mais famoso do mundo | O Retrato do Doutor Gachet | Os pastores de Arcadia | Pablo Picasso | Pintura Barroca | Pintura Metafísica | Pinturas de Estradas | Rembrandt | Vieira da Silva | Virgem dos Rochedos, A | William Blake | Henri de Toulouse-Lautrec

Cinema: 1944, O Ano Noir |  A Falta que Nos Move | A Verdade Interna Revelada? | Alain Resnais | Alice no País das Maravilhas | Antonioni | As maiores canções do cinema - 0s 25 melhores filmes de todos os tempos | Bergman | Billy Wilder | Blow Up | Cahiers du Cinema | Cinzas da Guerra | Chinatown | Coincidências do Amor ( The Switch ) | Conversas com Scorsese | Ed Wood, Gênio? | Fellini | Garbo | Grandes atrizes francesas | Grande Musicais | Hachiko | Kiss Me Kate | Kundun | L’Enfer de Clouzo | Liz Taylor: Mito | Max Ophuls | Munich | Neo-Realismo Italiano | No Direction Home - Bob Dylan | O amor de Leon Cakoff | Os magos | Pier Paolo Pasolini | Rediscovering | Shane | Steven Spielberg | Sunset Boulevard | The Gang's All Here | Um estranho no ninho | Untold history of the United States | Awake .

Literatura: Arthur Clarke | Clássicos da Literatura | Dom Quixote | Jose Saramago | Joseph Conrad | Grande Gatsby, O | Grandes Poetas por Will Durant | Literatura Inglesa | Mario, Íntimo e pessoal | Vermelho e o Negros, O | Viagem do Elefante, A | Yeats e Joyce resgatam a identidade da Irlanda | Sobre preciosidades evolutivas | Carlyle e a Revolução

Outras: A Flauta Mágica | Antunes Filho | A Cabra ou Quem é SylviaAs pecas de Oscar Wilde | Bejart | Catedral de Chartres | Contemporaneidade | Daquele Instante em Diante |  Debussy, Schoenberg e Stravinsky | Grandes Arquitetos |  Hair | I´m Not There | Lacroix na ArteMistérios e paradoxos de Chopin, para Freire |  Niemeyer, construindo identidades | Nona Sinfonia | Queremos Miles |  Teatro | The Doors Are Open | Ray Charles Live in France 1961 (2011) | Sonho de uma Noite de Verão | Living in The Material World: George Harrison | Edgard Scandurra Estraçalhante | H.Hancock, Lenda Viva do Jazz | Kung Fu | Pina: Visceras de amor | Lou Reed | Música Sacra | Baden Powell Quartet | Todo Aquele Jazz | Osama Kitajima | Eric Clapton 70 | Jimmy Burns, ícone do blues de Chicago | O Lago dos Cisnes | Don Giovanni | Songs 50´s | Joe Harriott | Kindred Spirits Live