Pina: Visceras de amor

Água, terra, rocha, os gêneros feminino e masculino, estes são alguns dos elementos que vemos nas coreografias apresentadas no filme Pina, de Win Wenders, filme que era para ter sido realizado em parceria com a própria Pina Bausch, mas acabou virando uma dedicatória para a coreógrafa alemã.

 

 

Philippine Bausch, mais conhecida como Pina Bausch nasceu em Solingen, em julho de 1949 e morreu abruptamente de um câncer em Wuppertal no dia 30 de junho de 2009. Como Igor Stravinski, um dos compositores que iniciam o modernismo na música, Pina trouxe a ousadia de romper com as formas tradicionais da dança-teatro.

Uma linguagem nova do corpo enquanto dança, criando coreografias baseadas nas experiências de vida. Pina agregou em seu corpo de dança bailarinos de várias nacionalidades como mostra o longa, usando ritmos próprios de cada cultura, inclusive conta com a participação de uma bailarina brasileira de Minas Gerais – Regina Advento

 


Bow to the beauty ... Pina Bausch in 1966. Photograph: Imagno/Hulton Archive

 

Pina inventou um novo estilo de dança, ou de teatro, o TanzTheater ou dança teatro. Essa criação e ruptura gerou muita polêmica. Inicialmente, a dançarina e coreógrafa foi questionada por seus próprios bailarinos e vaiada pelo público, quando convidada para dirigir o  Balé do Teatro de Wuppertal, em 1973. Chegou a receber ligações anônimas a ameaçando. O caminho para a consagração foi árduo e gradual.

 


Cena documentário "Pina" de Wim Wenders sobre Pina Bausch

 

Os bailarinos, que Pina cativou com o tempo, a agradecem no filme , através de reflexões sobre o que aprenderam. Pina não era de muitas palavras, mas o que dizia era o necessário para a compreensão, "As palavras apenas evocam as coisas. É aí, que entra a dança." diz Pina. Ela esboçava a vida a partir do corpo, desvendando medos e desafiando traumas.

Visceral, belo, repleto de tristeza e desespero, mas com amor a vida, as peçacoreografias são ligadas ao seu mundo. A essência de seus dançarinos também está presente, eles são os pintores de suas ideias, em frequências(ondas), criando novas percepções do ao redor.

 

Espetáculo que inspirou Wim Wenders

 

Na companhia entre integrantes de várias partes do mundo, a mineira Regina Advento diz: “Um dia perguntei por que ela sempre era tão dura na hora de fazer as correções e não fazia como com os outros bailarinos, num canto. Aí ela virou para mim e disse: "Regina, isso é um privilégio"”

Poucas palavras que dizem tudo. Isso é Pina e isso era sua dança teatro, onde têm-se pouco texto, mas muitos gestos que expressam tudo, o que para alguns é difícil decifrar, Pina ajuda e diz “é uma linguagem que podemos aprender a ler”.

 


Foto: Maarten Vanden Abeele

 

Luty Vasconcelos, num artigo sobre o filme lembra uma bela frase de Pina: “Tem coisas que nos deixam sem palavras. E tem coisas que as palavras não dão conta de dizer. É aí que entra a dança”. A dança é um pensamento não verbal, é uma experiência corporal, nomeando estados de mente, experiências emocionais que a palavra consegue fazer na poesia e na literatura. Pina intuía esses estados psíquicos. Intuía usando a coragem e a sabedoria de romper com a linguagem clássica. Sua dança é cosmopolita, é estrangeira, é uma composição aberta a novos “acordes” e “arranjos”. Pina improvisa, recria, inventa e assume sua obra como teatro-dança.

 

Wim Wenders's Pina Bausch tribute lives on

When choreographer Pina Bausch died suddenly last month, just five days after being diagnosed with cancer, the director Wim Wenders was in pre-production for a 3D film documenting Bausch, her company and her work, simply called Pina. The film-makers, the company and Bausch's family have decided to continue making the film. Wenders said: "A new concept has to be developed, of course. We are working on it. We will not let the opportunity and privilege pass to record in 3D the choreographies and dance compositions rehearsed and overseen by Pina Bausch. Her critical and loving eye is still very present in these works." The film, he added, would be "a deep bow to the beauty she released into the world".

 

Fontes: Ljana Santos, Carlos Vieira, http://oglobo.globo.com/paimoreno/post2012/04/11/pina-filme-de-wim-wenders-439841.asp; http://www.theguardian.com/culture/2009/jul/21/wim-wenders-pina-bausch; http://www.pina-bausch.de/en/pieceviktor.php#

Home
Links

Artes Plásticas: A Arte do Brasil Holândes | A Arte do Egito Antigo | Arte Pré-Colombiana | Arte Tibetana | Beatriz Milhazes | Capela Sistina | Caravaggio, Pintor da luz e das trevas da alma | Damien Hirst | Francisco Goya | Frida: A Dor da Vida, A Dor Da Arte | Henri Rosseau | Impression : Soleit Levant | Kandinsky | La persistencia de la memoria | Las Meninas | Luz e Espaço | Manet | Meus Quadros - Leandro Reis | O quadro mais famoso do mundo | O Retrato do Doutor Gachet | Os pastores de Arcadia | Pablo Picasso | Pintura Barroca | Pintura Metafísica | Pinturas de Estradas | Rembrandt | Vieira da Silva | Virgem dos Rochedos, A | William Blake | Henri de Toulouse-Lautrec

Cinema: 1944, O Ano Noir |  A Falta que Nos Move | A Verdade Interna Revelada? | Alain Resnais | Alice no País das Maravilhas | Antonioni | As maiores canções do cinema - 0s 25 melhores filmes de todos os tempos | Bergman | Billy Wilder | Blow Up | Cahiers du Cinema | Cinzas da Guerra | Chinatown | Coincidências do Amor ( The Switch ) | Conversas com Scorsese | Ed Wood, Gênio? | Fellini | Garbo | Grandes atrizes francesas | Grande Musicais | Hachiko | Kiss Me Kate | Kundun | L’Enfer de Clouzo | Liz Taylor: Mito | Max Ophuls | Munich | Neo-Realismo Italiano | No Direction Home - Bob Dylan | O amor de Leon Cakoff | Os magos | Pier Paolo Pasolini | Rediscovering | Shane | Steven Spielberg | Sunset Boulevard | The Gang's All Here | Um estranho no ninho | Untold history of the United States | Awake .

Literatura: Arthur Clarke | Clássicos da Literatura | Dom Quixote | Jose Saramago | Joseph Conrad | Grande Gatsby, O | Grandes Poetas por Will Durant | Literatura Inglesa | Mario, Íntimo e pessoal | Vermelho e o Negros, O | Viagem do Elefante, A | Yeats e Joyce resgatam a identidade da Irlanda | Sobre preciosidades evolutivas | Carlyle e a Revolução

Outras: A Flauta Mágica | Antunes Filho | A Cabra ou Quem é SylviaAs pecas de Oscar Wilde | Bejart | Catedral de Chartres | Contemporaneidade | Daquele Instante em Diante |  Debussy, Schoenberg e Stravinsky | Grandes Arquitetos |  Hair | I´m Not There | Lacroix na ArteMistérios e paradoxos de Chopin, para Freire |  Niemeyer, construindo identidades | Nona Sinfonia | Queremos Miles |  Teatro | The Doors Are Open | Ray Charles Live in France 1961 (2011) | Sonho de uma Noite de Verão | Living in The Material World: George Harrison | Edgard Scandurra Estraçalhante | H.Hancock, Lenda Viva do Jazz | Kung Fu | Pina: Visceras de amor | Lou Reed | Música Sacra | Baden Powell Quartet | Todo Aquele Jazz | Osama Kitajima | Eric Clapton 70 | Jimmy Burns, ícone do blues de Chicago | O Lago dos Cisnes | Don Giovanni | Songs 50´s | Joe Harriott | Kindred Spirits Live