Yeats e Joyce resgatam identidade da Irlanda

Uma boa fonte de conhecimento sobre a Irlanda está em sua literatura. Uma amostra preciosa deste saber é parte fundamental de obras-primas de dois gênios da literatura moderna: William Butler Yeats e James Joyce.

Foi principalmente a partir desses escritores, surgidos nos dois últimos séculos, que a própria cultura da Irlanda viveu seu momento de renascimento, em um momento crucial na própria história do país.

James Joyce reflete sobre a a identidade do homem urbano de sua época.


James Joyce

Dominada por séculos pelo Império Britânico, cresciam nesta época movimentos que lutavam pela independência do país. E nesse contexto, para afirmar sua diferença para com os ingleses, o resgate da identidade nacional era essencial.

Um dos primeiros e mais importantes escritores a se preocupar com a questão foi o poeta William Butler Yeats (1865-1939) - não confundir com o poeta inglês John Keats, autor do clássico epitáfio: "Here lies one whose name was writ in water" (Aqui descansa um homem cujo nome está escrito sobre a água). Em seus versos, Yeats busca inspiração nos mitos e antigas tradições célticas para fazer reflexões profundas sobre a condição humana, marcadas também pelo tom espiritualista.

De forma simbólica, fazia referência também à opressão política, cultural e religiosa que vitimava a Irlanda há tempos. Em uma de suas mais famosas peças de teatro, "Cathleen Ní Houlihan", o simbolismo em prol de uma Irlanda independente é evidente.

No enredo, a pátria é representada por uma senhora que pede a um jovem noivo que deixe seu casamento para lutar e recuperar seus "belos campos verdes", representação para as províncias da Irlanda na época.

Diversidade

Yeats e sua geração seriam precursores de uma leva de gênios que contribuiriam para realçar a cultura original de diferentes modos. Ainda em sua época, muitos deles, como George Moore (1852-1933), buscariam esse resgate compondo ou traduzindo livros na língua original dos celtas, o gaélico, então em vias de esquecimento.

Outro tema que viria à tona nos séculos 19 e 20 seria o exílio, vivenciado por milhões de irlandeses que tiveram de deixar o país para escapar da Grande Fome, desencadeada por uma praga que atingiu as plantações do país por volta de 1840 e dizimou um terço da população.


W.B Yeats, ao lado de seu pai

Nesse tema, o nome mais proeminente é James Joyce (1882-1941), outro gigante da literatura moderna. Sob sua inovadora narrativa --que faz uma imersão profunda dentro da mente de seus personagens-- Joyce também voltaria suas reflexões para a identidade, porém, focando o homem urbano de sua época.

Em suas histórias, os personagens estão imersos em questões religiosas e políticas em ebulição na Irlanda da época. Para o leitor iniciante, uma boa introdução é o livro de contos "Dublinenses".

Reconhecimento

Uma sucessão extraordinária que revelou gênios como Oscar Wilde, Samuel Beckett, Seamus Heaney, Sean O'Casey, entre outros, acabaria consolidando a literatura irlandesa como uma das mais prodigiosas do século 20, dada seu enorme reconhecimento por críticos e estudiosos de todo o mundo.

Para a professora da USP Munira Mutran, a peculiaridade desta consolidação --intimamente ligada ao processo político do país-- tornou a literatura irlandesa riquíssima para refletir sobre assuntos que até hoje permeiam a sociedade e o ser humano em geral.

"Há muita coisa a ser vista na literatura irlandesa e a produção atual é de uma qualidade extrema", diz, citando nomes contemporâneos do teatro como Brian Friel, Tom Murphy, Sebastian Barry, Thomas McLaughlin e Marina Carr. Para ela, a literatura irlandesa pode ser vista como um painel onde questões delicadas do homem moderno são delineadas.

Ainda hoje, na opinião de estudiosos, a Irlanda continua construindo sua identidade. Se antes era a dominação estrangeira que colocava desafios aos escritores para resgatar a cultura original, hoje a dificuldade vem de fora.

O crescimento econômico e o intenso desenvolvimento vividos pela Irlanda durante o século 20 atraiu imigrantes de todo o mundo.

Para a professora da USP Laura de Izarra, "hoje os escritores fazem uma re-escrita, a partir do olhar do estranho. O estrangeiro passa a sofrer tudo aquilo que o irlandês sentiu quando foi oprimido ou quando teve de deixar sua terra".


James Joyce - Biography and Works

Fontes: Folha Online; Prof. Munira Mutran; Prof. Laura de Izarra

Home
Links

Artes Plásticas: A Arte do Brasil Holândes | A Arte do Egito Antigo | Arte Pré-Colombiana | Arte Tibetana | Beatriz Milhazes | Capela Sistina | Caravaggio, Pintor da luz e das trevas da alma | Damien Hirst | Francisco Goya | Frida: A Dor da Vida, A Dor Da Arte | Henri Rosseau | Impression : Soleit Levant | Kandinsky | La persistencia de la memoria | Las Meninas | Luz e Espaço | Manet | Meus Quadros - Leandro Reis | O quadro mais famoso do mundo | O Retrato do Doutor Gachet | Os pastores de Arcadia | Pablo Picasso | Pintura Barroca | Pintura Metafísica | Pinturas de Estradas | Rembrandt | Vieira da Silva | Virgem dos Rochedos, A | William Blake | Henri de Toulouse-Lautrec

Cinema: 1944, O Ano Noir |  A Falta que Nos Move | A Verdade Interna Revelada? | Alain Resnais | Alice no País das Maravilhas | Antonioni | As maiores canções do cinema - 0s 25 melhores filmes de todos os tempos | Bergman | Billy Wilder | Blow Up | Cahiers du Cinema | Cinzas da Guerra | Chinatown | Coincidências do Amor ( The Switch ) | Conversas com Scorsese | Ed Wood, Gênio? | Fellini | Garbo | Grandes atrizes francesas | Grande Musicais | Hachiko | Kiss Me Kate | Kundun | L’Enfer de Clouzo | Liz Taylor: Mito | Max Ophuls | Munich | Neo-Realismo Italiano | No Direction Home - Bob Dylan | O amor de Leon Cakoff | Os magos | Pier Paolo Pasolini | Rediscovering | Shane | Steven Spielberg | Sunset Boulevard | The Gang's All Here | Um estranho no ninho | Untold history of the United States | Awake .

Literatura: Arthur Clarke | Clássicos da Literatura | Dom Quixote | Jose Saramago | Joseph Conrad | Grande Gatsby, O | Grandes Poetas por Will Durant | Literatura Inglesa | Mario, Íntimo e pessoal | Vermelho e o Negros, O | Viagem do Elefante, A | Yeats e Joyce resgatam a identidade da Irlanda | Sobre preciosidades evolutivas | Carlyle e a Revolução

Outras: A Flauta Mágica | Antunes Filho | A Cabra ou Quem é SylviaAs pecas de Oscar Wilde | Bejart | Catedral de Chartres | Contemporaneidade | Daquele Instante em Diante |  Debussy, Schoenberg e Stravinsky | Grandes Arquitetos |  Hair | I´m Not There | Lacroix na ArteMistérios e paradoxos de Chopin, para Freire |  Niemeyer, construindo identidades | Nona Sinfonia | Queremos Miles |  Teatro | The Doors Are Open | Ray Charles Live in France 1961 (2011) | Sonho de uma Noite de Verão | Living in The Material World: George Harrison | Edgard Scandurra Estraçalhante | H.Hancock, Lenda Viva do Jazz | Kung Fu | Pina: Visceras de amor | Lou Reed | Música Sacra | Baden Powell Quartet | Todo Aquele Jazz | Osama Kitajima | Eric Clapton 70 | Jimmy Burns, ícone do blues de Chicago | O Lago dos Cisnes | Don Giovanni | Songs 50´s | Joe Harriott | Kindred Spirits Live | Top 10 Composers