Esse período (de 23 de junho de 1996 a 22 de junho de 1997), em que Hermeto Paschoal se dedicou a compor um choro por dia, resultou no livro "Calendário do Som" (1999) com partituras e diário de acompanhamento das sensações que envolveram o compositor em tal aventura. Disse um dia Hermeto: "quando eu ouço as pessoas falarem, é como se eu fotografasse os sons. A criação musical é o processo de revelação."

Hermeto diz homenagear todos os aniversariantes de passagem pela Terra, bissextos também incluídos. São 366 músicas. Em cada partitura ele escreveu comentários. "É um livro muito alegre. Em suas garatujas, o compositor às vezes registra a hora do lampejo, o tempo, a cidade, uma gripe, uma decepção no futebol, os parceiros musicais, enfim, reminiscências que, de uma forma ou de outra, resultam como pistas para o tema elaborado em cada uma das partituras. Em todas elas, repetiu uma frase: "Tudo de bom, sempre."