The Carters

 

 


Beyoncé e Jay-Z expõem que o amor, sim, vence com o disco 'Everything is Love'. É, afinal, sobre a humanidade, a imperfeição, e o seu legado como artistas (os principais do mundo pop, sem dúvida) que surge Everything Is Love, o primeiro álbum deles como casal e sob o nome de The Carters

Pedro Antunes, O Estado de S.Paulo 23 Junho 2018 | 15h5

É a tal história “a vida imita a arte”. Ou “a arte imita a vida”. A ordem dos fatores, nesse caso, não altera o resultado.

Espertos, bons de marketing e talentosos que são, Beyoncé e Jay-Z souberam usar a vivência deles – antes, uns cinco anos atrás, bem reservada – como o novo combustível para canções e, consequentemente, um bom punhado de milhões a mais na conta bancária conjunta.

 

 

Vive-se o mundo da exposição, afinal, e do consumo dela. Redes sociais colocam, à vista de todos, particularidades e detalhes (controlados, é claro) do que antes era só imaginação. Também formam uma ligação direta entre o artista, o mito, o inalcançável, e seu lado humano. E são, Beyoncé e Jay-Z, humanos como nós.

É, afinal, sobre a humanidade, a imperfeição, e o seu legado como artistas (os principais do mundo pop, sem dúvida) que surge Everything Is Love, o primeiro álbum deles como casal e sob o nome de The Carters (ou “os Carters”, o sobrenome de Jay-Z). Um disco que celebra o “recasamento”, como Beyoncé canta em Lovehappy, a faixa que encerra o disco: “Yeah, you f... up the first stone, we had to get remarried”, canta ela, algo como “sim, você f... com a primeira tentativa, nós tivemos que casar de novo”.

 

 

É, Beyoncé e Jay-Z abriram suas vidas. O novo álbum, liberado nas plataformas digitais de surpresa, na última semana e em meio à segunda turnê conjunta deles, é presumivelmente o capítulo final de uma trilogia iniciada em Lemonade, o poderoso (e fundamental) disco de Beyoncé, de 2016. O sexto trabalho da cantora era uma bela bofetada numa sociedade misógina e racista. Também escancarava o caos que havia se tornado a vida dos Carters depois que Beyoncé descobriu a traição de Jay-Z.

Ele, no chão, de joelhos. Ela, poderosa, no alto. E assim começava 4:44, a resposta, também em formato de álbum, dele. E, ali, no trabalho lançado em 2017, assumia a culpa. Pedia pelo perdão de Beyoncé, colocava-se na posição de quem se arrepende. O exuberante Jay-Z dos outros álbuns, ali, se reduzia ao humano que, como todos nós, erra.

 

 

Sussurrava nas rimas ao tratar de quem era, sobre paternidade, seu lugar no mundo. O mito dava lugar a alguém de carne e osso. Principalmente, ao sangue que corre nas veias e torna o magnata da música pop e do rap um sujeito falho.

O ciclo se encerra com Everything Is Love, um disco de celebração, gestado intensamente, que vai do trap às baladas. Do peso de Apeshit, música que ganhou videoclipe para anunciar a chegada do disco (gravado no Museu do Louvre e colocando as figuras negras do casal e dos seus dançarinos em um ambiente prioritariamente branco) às lembranças do início do relacionamento de ambos, com 731, algo que nenhum deles havia se aprofundado ainda, em entrevistas ou canções.

Questiona-se – e é preciso questionar, afinal – a genuinidade da coisa toda. São azeitadinhos demais, esses lançamentos, ano a ano, cada um com seu tema central (o amor, em suas três frentes: desunião, o perdão e a conexão). É sabido que Jay-Z não falha – e, por isso, está onde está, um megaempresário, muito mais do que só um rapper de flow indiscutível e bom gosto para beats. Beyoncé também se engrandece a cada álbum.

Não é coincidência, obviamente. Seria ingenuidade entender o pop dessa forma, como uma descarga de emoções e só. Há cifras demais envolvidas para tal. Descobrir até que ponto toda a narrativa se forma legítima, impossível. Mas que é lindo ouvir os três álbuns na sequência e celebrar a vitória do amor, isso é.

Fontes: https://cultura.estadao.com.br


Home
Links

Artes Plásticas: A Arte do Brasil Holândes | A Arte do Egito Antigo | Arte Pré-Colombiana | Arte Tibetana | Beatriz Milhazes | Capela Sistina | Caravaggio, Pintor da luz e das trevas da alma | Damien Hirst | Francisco Goya | Frida: A Dor da Vida, A Dor Da Arte | Henri Rosseau | Impression : Soleit Levant | Kandinsky | La persistencia de la memoria | Las Meninas | Luz e Espaço | Manet | Meus Quadros - Leandro Reis | O quadro mais famoso do mundo | O Retrato do Doutor Gachet | Os pastores de Arcadia | Pablo Picasso | Pintura Barroca | Pintura Metafísica | Pinturas de Estradas | Rembrandt | Vieira da Silva | Virgem dos Rochedos, A | William Blake | Henri de Toulouse-Lautrec

Cinema: 1944, O Ano Noir |  A Falta que Nos Move | A Verdade Interna Revelada? | Alain Resnais | Alice no País das Maravilhas | Antonioni | As maiores canções do cinema - 0s 25 melhores filmes de todos os tempos | Bergman | Billy Wilder | Blow Up | Cahiers du Cinema | Cinzas da Guerra | Chinatown | Coincidências do Amor ( The Switch ) | Conversas com Scorsese | Ed Wood, Gênio? | Fellini | Garbo | Grandes atrizes francesas | Grande Musicais | Hachiko | Kiss Me Kate | Kundun | L’Enfer de Clouzo | Liz Taylor: Mito | Max Ophuls | Munich | Neo-Realismo Italiano | No Direction Home - Bob Dylan | O amor de Leon Cakoff | Os magos | Pier Paolo Pasolini | Rediscovering | Shane | Steven Spielberg | Sunset Boulevard | The Gang's All Here | Um estranho no ninho | Untold history of the United States | Awake .

Literatura: Arthur Clarke | Clássicos da Literatura | Dom Quixote | Jose Saramago | Joseph Conrad | Grande Gatsby, O | Grandes Poetas por Will Durant | Literatura Inglesa | Mario, Íntimo e pessoal | Vermelho e o Negros, O | Viagem do Elefante, A | Yeats e Joyce resgatam a identidade da Irlanda | Sobre preciosidades evolutivas | Carlyle e a Revolução

Outras: A Flauta Mágica | Antunes Filho | A Cabra ou Quem é SylviaAs pecas de Oscar Wilde | Bejart | Catedral de Chartres | Contemporaneidade | Daquele Instante em Diante |  Debussy, Schoenberg e Stravinsky | Grandes Arquitetos |  Hair | I´m Not There | Lacroix na ArteMistérios e paradoxos de Chopin, para Freire |  Niemeyer, construindo identidades | Nona Sinfonia | Queremos Miles |  Teatro | The Doors Are Open | Ray Charles Live in France 1961 (2011) | Sonho de uma Noite de Verão | Living in The Material World: George Harrison | Edgard Scandurra Estraçalhante | H.Hancock, Lenda Viva do Jazz | Kung Fu | Pina: Visceras de amor | Lou Reed | Música Sacra | Baden Powell Quartet | Todo Aquele Jazz | Osama Kitajima | Eric Clapton 70 | Jimmy Burns, ícone do blues de Chicago | O Lago dos Cisnes | Don Giovanni | Songs 50´s | Joe Harriott | Kindred Spirits Live | Top 10 Composers | Videoclipes The Carters